21 de abril de 2012

Estadão: 'Vazamento merece pena de morte', diz promotor indicado por Demóstenes

Este senhor que se arvora promotor propõe uma sandice que fere cláusula pétrea da Constituição. Não sei se é o caso, mas creio que se possível, a corregedora do CNJ, Dra. Eliana Calmon deveria cuidar deste senhor, se os pares não o fizeram antes! Advocacia administrativa, por parte de funcionário público, é crime!(Caso Cachoeira)

'Vazamento merece pena de morte', diz promotor indicado por Demóstenes

Conselheiro Tito Amaral, ex-assessor do senador, criticou procuradores da Operação Monte Carlo
 
19 de abril de 2012 | 22h 32

Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo


BRASÍLIA - Levado para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) com o apoio decisivo do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), o conselheiro Tito Amaral, promotor de Justiça em Goiás e ex-assessor do parlamentar, criticou o vazamento de informações que comprometem o antigo chefe. Na sessão desta semana do órgão, Amaral falou em punir com “pena de morte” os procuradores da República responsáveis pela Operação Monte Carlo, que seriam coniventes ou responsáveis pelo vazamento de informações que apontam ligações entre Demóstenes e o contraventor Carlinhos Cachoeira.

O conselho votava um processo contra o procurador da República em São Paulo, Matheus Baraldi Magnani, por ter concedido uma entrevista coletiva à imprensa em 2009 para detalhar o cumprimento de mandados de busca e apreensão na sede da prefeitura de Guarulhos e na construtora OAS na investigação de suposto superfaturamento em obras do Complexo Viário do Rio Baquirivu, na Grande São Paulo.

Tito Amaral votou a favor da pena mais severa para o procurador por ter concedido a entrevista - demissão, pena que foi convertida em suspensão de 90 dias. “Vendo o que está acontecendo nos últimos dias no Brasil, esse rapaz (Matheus Baraldi Magnani) não fez nada. Se ele foi punido pela entrevista que ele deu, os procuradores da República que estão à frente dessa Operação Monte Carlo têm de ser condenados à pena de morte”, afirmou Tito Amaral, que por nove anos trabalhou com Demóstenes no Senado. “É um processo que claramente corre em segredo de Justiça e em que estão ocorrendo vazamentos na imprensa todos os dias.” Continue lendo.

3 comentários:

leao disse...

Prezado senhor, o que o conselheiro quis dizer foi que, embora votando com o relator, achava a pena muito alta e que, se o CNMP tivesse que apreciar um caso de vazamento de informacoes sigilosas nao teria pena a aplicar senao a de morte. Os jornalistas que frequentaram uma escola de jornalismo conhecem e figura da hiperbole, os amanuenses, nao. As clausulas petreas sao conhecidas por alunos do primeiro ano de Direito, pelos jornalistas nao formados, nao. Entao, um promotor de justica, conselheiro do CNMP, sabe, por ser questao primaria, que pena de morte nao existe no Brasil, a nao ser em caso de guerra. O que ele quis dizer, qualquer mentecapto sabe, eh que, se se aplica pena de demissao a um promotor que dah entrevista na sua promotoria sobre um caso de corrupcao, a unica pena possivel a quem vaza, clandestinamente, informacoes sobre processo em segredo de justica, seria a pena de morte. Isso eh chamado na nossa linbua de HIPERBOLE. Infelizmente pouca gente sabe disso. Gente, esse Tito Amaral é de uma integridade. Perguntem aos jornalistas de Goiás. Ele já enfrentou cada barra como promotor do júri, pedindo absolvições quando ficou provado que o reu confessou sob tortura. Não aceita nenhuma falha processual, é duro com delegados corruptos e vocês estão detonando o cara sem sabem quem ele é. É um técnico, tanto que já foi elogiado publicamente por Demóstenes, Agripino, Casagrande, Marta Suplicy, Mercadante, Randolfe, Flexa Ribeiro, Geraldo Mesquita, Eunício, Magno Malta (sim, rarara) e Tasso Jereissati. Foi o mais votado em eleição realizada pelos Promotores e Procuradores de Justiça de Goiás e por TODOS os Procuradores-Gerais de Justiça do Brasil. Entrem no site do Jornal Opção de Goiás e vejam o perfil dele ou conversem com um ex-aluno dele da Unip. Vejam o conteúdo dos votos dele no CNMP. É um jurista respeitadíssimo e de um bom humor e de uma humildade impressionantes. No Senado era chamado de vade mecum, por conta dos seus conhecimentos jurídicos. Ele diz que o apelido é porque andava sempre com um livro grosso debaixo do braço. Gosta de Sheakspeare e de Machado de Assis e torce para o Flamengo (matou a pau). O único defeito dele, apesar de ter trabalhado com Demo Torres, é ser PeTista. Também não se pode exigir que uma pessoa seja perfeita em tudo, né?

leao disse...

Prezado senhor, o que o conselheiro quis dizer foi que, embora votando com o relator, achava a pena muito alta e que, se o CNMP tivesse que apreciar um caso de vazamento de informacoes sigilosas nao teria pena a aplicar senao a de morte. Os jornalistas que frequentaram uma escola de jornalismo conhecem e figura da hiperbole, os amanuenses, nao. As clausulas petreas sao conhecidas por alunos do primeiro ano de Direito, pelos jornalistas nao formados, nao. Entao, um promotor de justica, conselheiro do CNMP, sabe, por ser questao primaria, que pena de morte nao existe no Brasil, a nao ser em caso de guerra. O que ele quis dizer, qualquer mentecapto sabe, eh que, se se aplica pena de demissao a um promotor que dah entrevista na sua promotoria sobre um caso de corrupcao, a unica pena possivel a quem vaza, clandestinamente, informacoes sobre processo em segredo de justica, seria a pena de morte. Isso eh chamado na nossa linbua de HIPERBOLE. Infelizmente pouca gente sabe disso. Gente, esse Tito Amaral é de uma integridade. Perguntem aos jornalistas de Goiás. Ele já enfrentou cada barra como promotor do júri, pedindo absolvições quando ficou provado que o reu confessou sob tortura. Não aceita nenhuma falha processual, é duro com delegados corruptos e vocês estão detonando o cara sem sabem quem ele é. É um técnico, tanto que já foi elogiado publicamente por Demóstenes, Agripino, Casagrande, Marta Suplicy, Mercadante, Randolfe, Flexa Ribeiro, Geraldo Mesquita, Eunício, Magno Malta (sim, rarara) e Tasso Jereissati. Foi o mais votado em eleição realizada pelos Promotores e Procuradores de Justiça de Goiás e por TODOS os Procuradores-Gerais de Justiça do Brasil. Entrem no site do Jornal Opção de Goiás e vejam o perfil dele ou conversem com um ex-aluno dele da Unip. Vejam o conteúdo dos votos dele no CNMP. É um jurista respeitadíssimo e de um bom humor e de uma humildade impressionantes. No Senado era chamado de vade mecum, por conta dos seus conhecimentos jurídicos. Ele diz que o apelido é porque andava sempre com um livro grosso debaixo do braço. Gosta de Sheakspeare e de Machado de Assis e torce para o Flamengo (matou a pau). O único defeito dele, apesar de ter trabalhado com Demo Torres, é ser PeTista. Também não se pode exigir que uma pessoa seja perfeita em tudo, né?

leao disse...

Prezado senhor, o que o conselheiro quis dizer foi que, embora votando com o relator, achava a pena muito alta e que, se o CNMP tivesse que apreciar um caso de vazamento de informacoes sigilosas nao teria pena a aplicar senao a de morte. Os jornalistas que frequentaram uma escola de jornalismo conhecem e figura da hiperbole, os amanuenses, nao. As clausulas petreas sao conhecidas por alunos do primeiro ano de Direito, pelos jornalistas nao formados, nao. Entao, um promotor de justica, conselheiro do CNMP, sabe, por ser questao primaria, que pena de morte nao existe no Brasil, a nao ser em caso de guerra. O que ele quis dizer, qualquer mentecapto sabe, eh que, se se aplica pena de demissao a um promotor que dah entrevista na sua promotoria sobre um caso de corrupcao, a unica pena possivel a quem vaza, clandestinamente, informacoes sobre processo em segredo de justica, seria a pena de morte. Isso eh chamado na nossa linbua de HIPERBOLE. Infelizmente pouca gente sabe disso. Gente, esse Tito Amaral é de uma integridade. Perguntem aos jornalistas de Goiás. Ele já enfrentou cada barra como promotor do júri, pedindo absolvições quando ficou provado que o reu confessou sob tortura. Não aceita nenhuma falha processual, é duro com delegados corruptos e vocês estão detonando o cara sem sabem quem ele é. É um técnico, tanto que já foi elogiado publicamente por Demóstenes, Agripino, Casagrande, Marta Suplicy, Mercadante, Randolfe, Flexa Ribeiro, Geraldo Mesquita, Eunício, Magno Malta (sim, rarara) e Tasso Jereissati. Foi o mais votado em eleição realizada pelos Promotores e Procuradores de Justiça de Goiás e por TODOS os Procuradores-Gerais de Justiça do Brasil. Entrem no site do Jornal Opção de Goiás e vejam o perfil dele ou conversem com um ex-aluno dele da Unip. Vejam o conteúdo dos votos dele no CNMP. É um jurista respeitadíssimo e de um bom humor e de uma humildade impressionantes. No Senado era chamado de vade mecum, por conta dos seus conhecimentos jurídicos. Ele diz que o apelido é porque andava sempre com um livro grosso debaixo do braço. Gosta de Sheakspeare e de Machado de Assis e torce para o Flamengo (matou a pau). O único defeito dele, apesar de ter trabalhado com Demo Torres, é ser PeTista. Também não se pode exigir que uma pessoa seja perfeita em tudo, né?