1 de julho de 2012

Brasil247: Gurgel cogitou arquivar denúncia contra Arruda

(Experimente o uso dos marcadores - tags, abaixo de cada post, em vermelho, é mais rápido do que a busca, acima, a esquerda.)

Bela desculpa, corrupção continuada isenta os beneficiários que permaneceram no esquema. E o esquema de Minas, paradinho...

Gurgel cogitou arquivar denúncia contra Arruda

Peça só foi apresentada agora para não enfraquecer a posição do procurador-geral no julgamento do mensalão, que se inicia em agosto; confidência foi feita em almoço na casa do jornalista Fernando Cesar Mesquita, na última sexta-feira

01 de Julho de 2012 às 21:29

247 – Roberto Gurgel, procurador-geral da República, é cearense da gema. Nasceu em Fortaleza e fez seus estudos no Rio de Janeiro. Como tal foi convidado para um almoço, em sua homenagem, na Casa do Ceará, em Brasília, na última sexta-feira.

A Casa é mantida por outro cearense ilustre na capital federal: o jornalista Fernando Cesar Mesquita, também nascido em Fortaleza. Assessor do senador José Sarney, Fernando Cesar é um personagem querido na corte. Bem-relacionado, é próxima a juízes, jornalistas e políticos de todos os partidos. Criou a Casa do Ceará em Brasília inspirado na Maison du Brésil em Paris.

O almoço foi uma espécie de desagravo a Gurgel, alvo do PT, na CPI do caso Cachoeira, e também de representações feitas pelo senador Fernando Collor de Mello, por ter supostamente prevaricado no caso do senador Demóstenes Torres (sem partido/GO). Collor pretende até promover um impeachment do procurador-geral, mas os cearenses estavam ali para dar uma força a Gurgel.

Durante todo o tempo, Gurgel esteve acompanhado de seu antecessor no cargo, Antonio Fernando de Souza, que apresentou a primeira denúncia do mensalão. Lá pelas tantas, Gurgel foi perguntado sobre a denúncia contra o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, apresentada no mesmo dia, que, por coincidência, era o último antes do recesso do Poder Judiciário.

Foi então que Gurgel fez uma confidência, revelando o teor de uma conversa mantida entre ele e a procuradora Raquel Dodge, responsável pelo caso. “Ou você apresenta agora, ou vou mandar arquivar”, teria dito Gurgel. E ela teria pedido então para que o procurador também assinasse a peça.

Foi assim que brotou, com quase três anos de atraso, a denúncia contra Arruda. Uma denúncia que enfrenta várias dificuldades técnicas. A maior delas decorre do fato de todas as provas serem anteriores à posse de Arruda como governador do Distrito Federal – as imagens feitas pelo delator Durval Barbosa são de 2006 e Arruda foi empossado em 2007. Continue lendo.

Nenhum comentário: