24 de maio de 2012

NovoJornal: Walfrido dos Mares Guia: O exemplo de sucesso pela traição; mais Minas247


Walfrido dos Mares Guia: O exemplo de sucesso pela traição


De professor particular a político e mega empresário. A vida de Mares Guia comprova que para se ter sucesso não se pode ter amigo nem ética


Walfrido dos Mares Guia de professor particular de matemática à estudantes que se preparavam para disputar o vestibular na década de 70 em BH transformou-se em político e mega empresário. Tudo após entrar na política no início dos anos 80 pelas mãos do ex-governador Helio Garcia quando ocupava o cargo de prefeito de Belo Horizonte, indicado por Tancredo Neves. Seu primeiro “trabalho”, desempenhado com sucesso, encomendado por Garcia, foi convencer seu irmão, um dos fundadores do PT em Minas, a trair e abandonar o partido retardando em anos sua implantação no Estado.

O bom desempenho no primeiro “trabalho” o credenciou a ser escalado por Helio Garcia como mediador e executor das diversas negociações políticas que culminariam em traição, como ocorreu com todos os vereadores do PMDB com mandato na Câmara Municipal de Belo Horizonte na gestão de Garcia. Segundo conterrâneos de Walfrido, “este procedimento é comum em sua família”. Porém, como previsível, não durou muito para que a criatura traísse também seu criador. Indicado por Garcia para ser vice na chapa de Azeredo que concorreu e ganhou as eleições para o governo de Minas em 1996, assim que assumiu a vice-governadoria, Walfrido abandonou Garcia e seu grupo.

Não fugindo de sua tradição, teve comportamento idêntico com Azeredo. Autor material e intelectual das privatizações assim como das “negociações”, pouco ortodoxas ocorridas no governo de Azeredo, eximiu-se das responsabilidades, porém, ficou com os benefícios e ganhos financeiros. Embora tenha ganhado muito dinheiro nos diversos governos de Garcia, foi no de Azeredo e aliado a Daniel Dantas que consolidou sua fortuna. Contrariado pelo PSDB, quando Serra era Ministro da Saúde, aderiu através do PTB ao PT, partido que fora sua primeira vítima.

Chegou ao governo do PT ao aproximar-se de Lula através de Paulo Okamotto, ex-metalúrgico que trabalhou como fresador de ferramentaria na Inbrac, ocupando a diretoria de finanças do sindicato dos metalúrgicos do ABC em 1981, no primeiro mandato de Jair Menegueli. Cumprindo mais dois mandatos como segundo secretário e diretor do departamento jurídico. Em 1989 coordenou, junto com José Dirceu, Cezar Alvarez e Ruy Falcão, a primeira campanha do Presidente Lula. Continue lendo.


Brasil247[Minas]: Lula, Walfrido e a armadilha para Aécio Neves em Minas

Nenhum comentário: