20 de maio de 2012

JB: Reportagem revela que PF investiga denúncia antecipada pelo 'JB'

(Experimente o uso dos marcadores - tags, abaixo de cada post, em vermelho, é mais rápido do que a busca, acima, a esquerda.)


Reportagem revela que PF investiga denúncia antecipada pelo 'JB'
 
Matéria trouxe à tona a suspeita de que Limírio teria usado esquema de Cachoeira
Jornal do Brasil



A Polícia Federal investiga os fortes indícios de que o empresário Marcelo Limírio se beneficiou do esquema do bicheiro-empresárioCarlinhos Cachoeira para comprar o Hotel Nacional, em 2009. A denúncia da ligação entre Limírio e Cachoeira foram trazidas à tona pelo Jornal do Brasil no último dia 16 de abril, na reportagem "Hotel Nacional: as digitais de Carlinhos Cachoeira no Rio de Janeiro".

Desativada desde 1995, a construção foi leiloada pelo Ministério da Fazenda através da Superintendência de Seguros Privados (Susep) em 2009. Naquela ocasião, o empresário Marcelo Limírio arrematou o hotel por R$ 84,9 milhões, R$ 33 milhões a menos do que o lance inicial do leilão anterior, no qual não houve lance.

Principal acionista individual do grupo Hypermarcas, Marcelo Limírio é sócio direto tanto de Carlinhos Cachoeira quanto de Demóstenes. O contraventor e o empresário são sócios pela empresa ICF, responsável por fornecer testes para laboratórios. Entre eles, está o Vitapan, que pertence a Cachoeira. Já o senador Demóstenes é sócio de Limírio numa universidade em Contagem, Minas Gerais. 

Contrato da "Nova Faculdade" revela relação de Demóstenes com Marcelo Limírio - JB
Denominada "Nova Faculdade", a instituição de ensino é dividida entre três cotistas, dois dos quais são Limírio (60% do empreendimento) e Demóstenes (20%). O empresário foi até bem generoso com o senador, deixando que ele parcelasse em 25 vezes o investimento de R$ 200 mil na empresa.

Com campanha financiada por Limírio, Vergílio não assinou pedido de CPI para investigar Cachoeira

A proximidade de Limírio com Cachoeira e Demóstenes coloca outro político na roda: o deputado federal Armando Vergílio (PSD-GO). Ele era o superintendente da Susep em 2009, mesmo ano no qual o órgão leiloou o Hotel Nacional por duas vezes, baixando seu preço de R$ 118 milhões para R$ 84 milhões em função da falta de compradores na primeira tentativa de venda. Continue lendo.

Nenhum comentário: