8 de novembro de 2014

REDAÇÃO da REFAZENDA2010-blog - Artigo - Vamos conversar sobre a morte? [Uma terrível experiência!

Não é do feitio do blog tratar de assuntos pessoais. O ocorrido se deu de julho para agosto. Foi um sofrimento escrevê-lo no dia seguinte, após o retorno do Hospital. infinitamente mais simples que o AVC 2012, em A Quebra, mas totalmente apavorante! Sabia mais aqui também! Nesse artigo como é a gestão daquilo do qual sou o Contribuinte e... leia!

O Editor em 08/11/2014

Vamos conversar sobre a Morte?


Lá atrás um amigo e pseudo maconheiro bradava: Vênus é do Cacique! A palavra não era cacique.
 

Em menos de uma semana, uma bobagem na face – uma provável sequela do AVC de 2012 – me levou a ser entubado. Três dias de coma induzido. O Doutor Careca lá sorridente. Depois o provoquei: Deus da vida e da morte, e ainda, dormi com você, acordei com você. Disse ele: Deus me livre.


A verdade é que o retorno se deu na segunda, 4 de agosto, no final da manhã. Minha mulher e uma filha me tranquilizavam. Mas eu não tinha a mínima ideia de onde estava. Era o CTI. Naquele resto do dia fiquei com a percepção alterada. Projeções de imagens numa parede a 45 graus. Rádio imaginária zoando o tempo todo. Ao fechar os olhos, não se via preto, mas painéis ora roxo, ora marrom... E o pior era ver a turma batalhadora dos técnicos de enfermagem com máscara do tipo do carnaval de Veneza. Uma loucura...


O pós, em breves palavras, foi assim.


Mas teve o antes. Em qual momento? Não tenho a menor ideia. Mas pode ter sido instantes anterior da retirada do tubo. Fui informado que a redução da sedação deve ter sido de 6 a 8 horas antes.


Me vi discursando no coreto da Praça da Liberdade. Antes, um letreiro com a palavra Cérebro, percepção iminente de Morte. Antes ainda, tecnologia, muita tecnologia. Não lembro como. Ouvia também Pavarotti. Ainda, imagens psicodélicas e muita mais coisa que a minha memória já não retém. Depois foram os painéis. A China, não Azul, mas sim Vermelha. E parece que com uma terminação: Incorporation.


Depois, o que parecia o Umbral, alguma coisa verde com dourado. Não me vi em túneis e não vi ninguém. Falha, erro na memória!


Com toda aquela paranoia alucinativa do dia tenebroso, passei a racionalizar. É sabido os eleitos alucinógenos dos sedativos. Não foi um resumo e nem um flash. Parece ter sido algumas impressões registradas lá pela adolescência. Somos frutos desses registros. Concluindo, uma morte alegórica, operística, dramática e muito doida...


Só sei que entrei em julho no PA (Pronto Atendimento) e no maior frio. Voltei em agosto num dia muito quente, na UTI. Como manteúdo de plano de saúde da primeira filha, me salvei. O IPSEMG, pós Terror de Neves, me mataria novamente, como tentou fazê-lo em 2012.

A minha realidade foi essa, mas a realidade real foi bem pior!


Em 12/08/2014

Nenhum comentário: